Torcida Bipolar

Quando ganhamos somos os melhores do mundo, quando perdemos o time não presta, tem  que trocar treinador, fazer reformulação. A linha que separa as vaias do aplauso é praticamente invisível. Desaprendemos a perder. Culpa de Pelé, de Garrincha, de Romário, de Ronaldo, que nos acostumaram com os títulos. Culpa das cinco estrelas que carregamos no peito e que causam inveja em outras seleções. Culpa de uma geração que acha que o futebol é um jogo de Playstation.

Também me decepcionei com a atuação da Seleção Brasileira nessa Copa América, mas não compartilho esse pensamento de tragédia pela eliminação diante do Paraguai. O futebol nos proporciona situações como a de hoje quando fomos superiores durantes os 120 minutos do jogo e acabamos perdendo nos pênaltis. Discordo do Mano Menezes quando coloca a culpa no péssimo estado do gramado. Campo ruim para nós, campo ruim para eles também. Fomos eliminados porque não soubemos cobrar os pênaltis. Ponto.

Essa não foi a primeira e nem será a última vez que acontecerá. O que tem de ser revisto no momento é a tal de reformulação feita após a Copa do Mundo de 2010. Apenas um ano se passou e cometemos erros parecidos com o do passado. Seleção não é família, não é grupo do Bolinha. Não dá mais para aceitar que o melhor de cada posição não seja convocado de uma competição oficial como forma de castigo. Assim como não dá mais também para aturar imaturidade de alguns jogadores (e não falo somente dos mais novos). É preciso que a comissão técnica faça um trabalho para conscientizar o grupo de que a Seleção não é lugar para celebridades e muito menos uma forma de trampolim para empresários faturarem mais grana. Lúcio já mandou o recado. A camisa é muito mais importante que o nome. Teremos até 2014 para saber se o recado foi ou não entendido.

Até lá temos que apoiar a geração que temos em mão. Parar de olhar o quintal do vizinho e saber valorizar o nosso. É preciso lapidar os jovens e não crucificá-los a cada derrota. E o primeiro passo para tirar a pressão do ombros desses garotos é deixar o passado em seu devido lugar: na memória ou nos livros de história. Não haverá outro Pelé, Zico, Romário ou Ronaldo. O futuro é de Neymar, Ganso, Lucas, Pato e Cia.

Anúncios

Convocação da seleção com… Ronaldinho Gaúcho!

Na manhã desta sexta-feira, dia 29 de outubro, o treinador da Seleção Brasileira Mano Menezes divulgou a lista de jogadores convocados para o amistoso contra a eterna rival Argentina, partida na qual será realizada em 17 de novembro, no Qatar. Para a euforia de grande parte da torcida brasileira(e talvez de todo o mundo), ele está de volta: Ronaldinho Gaúcho .

Depois de um ano e meio afastado da Seleção e após uma verdadeira mobilização por parte dos torcedores para levá-lo à Copa do Mundo, o craque vestirá novamente a camisa do Brasil. E o próprio técnico disse que não é para ser reserva. Quem sabe agora, Ronaldinho encontre a felicidade total de vez com este retorno tão esperado e o motive para ser um jogador melhor que já está sendo. Talvez voltando até a ser o Ronaldinho Gaúcho dos anos dourados do Barcelona ou, pelo menos, próximo disso. Afinal é o que todos nós queremos ver, menos os adversários.

A lista de Mano Menezes manteve a coerência(dele, não de Dunga), renovando a seleção. Troca poucas peças e deixa outras muito importantes de fora. Júlio Cesar, Maicon e Lúcio não são aproveitados. Porém pode ser somente um teste para descobrir seus reservas, uma vez que, cada um é um dos melhores do mundo em suas respectivas posições. Hernanes, muito bem na Italia, também não foi chamado. Uma das razões talvez seja pelo tipo de jogo que o treinador vai propor contra a Argentina. Prova disso é que chamou Douglas, meia do Grêmio, jogador que ele conhece bem(na época do Corinthians) e disse que tem um estilo de jogo que prende bem a bola na hora certa e tem força. Quem também volta à seleção é Neymar, jogando pela primeira vez contra os argentinos.

Lista abaixo:

Goleiros: Victor(Grêmio), Jéfferson(Botafogo) e Neto(Atlético-PR).

Laterais: Daniel Alves(Barcelona), Rafael(Manchester United), Adriano(Barcelona) e André Santos(Fenerbahçe)

Zagueiros: Thiago Silva(Milan), David Luiz(Benfica), Réver(Atlético-MG) e Alex(Chelsea)

Meio de Campo: Lucas (Liverpool), Ramires (Chelsea), Sandro (Tottenham), Jucilei (Corinthians), Elias(Corinthians), Douglas (Grêmio), Philippe Coutinho (Inter de Milão) e Ronaldinho Gaúcho (Milan)

Atacantes: Robinho (Milan), Alexandre Pato (Milan),André (Dínamo de Kiev) e Neymar (Santos)

ATUALIZANDO…

brasil

Primeiramente peço desculpa pela ausência no blog, mas ando um pouco sem tempo. Mas vamos a o que interessa, muitas coisas ocorreram e vou tecer alguns comentários:

  • No Vasco chegou ao fim a Era Eurico Miranda, após 41 anos no clube o ex-Presidente não tentou a reeleição e afirmou que chegou a hora de curtir o neto. Analisando bem sua passagem como Presidente não foi ruim, ganhou um Rio-São Paulo, dois Campeonatos Cariocas, dois Campeonatos Brasileiros, uma Copa Libertadores, duas vezes Vice-Campeão Mundial e isso em apenas dez anos. Mas a relação com a torcida já estava desgastada. Agora é esperar para ver o que fará Roberto Dinamite.
  • Tivemos também a vitória da Espanha na EURO-2008. Não posso comentar porque estava vendo o jogo do Mengão.
  • Na Itália, mais precisamente na Praça de São Pedro, o Papa Bento XVI recebia o Manto Sagrado Rubro-Negro.
  • E parece que a visita ao Papa deu sorte ao Mengão, o iluminado Obina marcou dois gols que colocaram o Flamengo na liderança isolada a dois pontos do segundo colocada. E também acabou com a invencibilidade do Sport em casa após 22 jogos.
  • Agora o mais importante é a comemoração dos 50 anos do primeiro título Mundial conquistado pela Seleção Brasileira. Foi em 29/06/1958 que o Brasil de Pelé, Garrincha, Didi e cia encantavam o Mundo. Seleção pela qual o Atleta do Século XX marcou seu primeiro gols em Copa do Mundo. Não podemos deixar de essa data passar em branco. 1958: o ano onde tudo começou. Que a seleção de hoje se inspire e possa continuar nossa saga vencedora. Parabéns a todos os campeões: Gilmar e Castilho(Goleiros), Djalma Santos, Nilton Santos, De Sordi e Oreco (Laterais), Mauro, Bellini, Orlando e Zózimo (Zagueiros), Didi, Zito, Dino e Moacir (Meias), Zagallo, Pepe, Vavá, Joel, Dida, Mazzola, Garrincha e Pelé (Atacantes)

Trecho da coluna de Nelson na revista “Manchete Esportiva”:

“Pela primeira vez numa final de Copa do Mundo, um escrete vence de goleada, de banho. (…) Nenhum time levanta um campeonato mundial sem extraordinárias qualidades morais. De nada adiantará o futebol, se o homem não presta. Foi o triunfo do homem”. (http://colunas.globoesporte.com/diretode1958/)