100 ANOS DE NELSON RODRIGUES

Há quase seis anos, dois alunos do Colégio Pedro II decidiam fazer um blog. Um tricolor e outro Rubro Negro. Em comum a admiração por Nelson Rodrigues. Hoje, no dia em que completaria 100 anos, não poderíamos deixar essa data passar em branco. Quantas vezes não pedimos licença para utilizar uma frase desse gênio da dramaturgia brasileira e assim dar um pouco mais de emoção ao texto. Até uma entrevista póstuma realizamos (a qual considero um dos melhores post desse blog).

Nelson Rodrigues nos ensinou a ver o futebol não como uma guerra, mas sim como um espetáculo no qual o personagem principal, os coadjuvantes, o mocinho e o vilão são escolhidos após os 90 minutos. Nelson nos mostrou o verdadeiro significado da rivalidade. Ser rival não é odiar o outro time ou o torcedor adversário, é saber conviver com quem pensa diferente. Nelson não tinha vergonha de admirar a torcida Rubro Negra, a grandeza vascaína, os craques botafoguenses. E isso não o fazia menos tricolor. O Fluminense tinha lugar especial em seu coração.

Sim, quando falamos em tricolor nesse blog, sempre nos referimos ao Fluminense. Como diria nosso ídolo, os outros são apenas times de três cores.

O gênio centenário hoje não está mais entre nós, mas sua memória está viva em cada crônicas, peças e livros. Nelson Rodrigues faz falta ao jornalismo, à dramaturgia, à vida. Poucas pessoas conseguiram enxerga-lá tão bem e Nelson foi um deles. Obrigado por não ter sido mais um desses idiotas da objetividade, por mostrar que o jornalismo também é feito de sentimentos.

Abaixo segue a entrevista póstuma feita pelo blog feita em 2010:

Inspiração dos idealizadores do blog, Nelson Rodrigues finalmente tornou-se o tema principal de um de nossos posts.

Um dos grandes responsáveis, ao lado do irmão Mário Filho, por umas das maiores rivalidades do futebol brasileiro, quiçá Mundial, Nelson Rodrigues expressou todo seu amor pelo clube das Laranjeiras, revelou uma admiração pelo Rubro Negro, mas sem deixar a gozação de torcedor de lado, em entrevista póstuma exclusiva concedida ao NEWSFUT! no dia em que completou 30 anos de sua morte.

NEWSFUT!: Para qual time você torce?

Nelson Rodrigues: ‘Sou tricolor, sempre fui tricolor. Eu diria que já era Fluminense em vidas passadas, muito antes da presente encarnação’

N!: Por que você escolheu torcer para o Flu?

N.R.: ‘Ser tricolor não é uma questão de gosto ou opção, mas um acontecimento de fundo metafísico, um arranjo cósmico ao qual não se pode – e nem se deseja – fugir’

N!: Tricolor existe muitos. Bahia, Grêmio, São Paulo…

N.R.: ‘O Fluminense é o único time tricolor do mundo. O resto são só times de três cores’

N!: Você torceria para o Flamengo?

N.R.‘Cada brasileiro, vivo ou morto já foi Flamengo por um instante, por um dia’

N!: Por isso o Fla tem a maior torcida do Mundo?

N.R.‘O Flamengo tem mais torcida, o Fluminense tem mais gente!’

N!: O que te chama a atenção na torcida do Flu?

N.R.: Uma torcida não vale a pena pela sua expressão numérica. Ela vive e influi no destino das batalhas pela força do sentimento. E a torcida tricolor leva um imperecível estandarte de paixão’

N!: Qual a diferença entre a torcida do Fla e Flu?

N.R.: ‘Pode-se identificar um Tricolor entre milhares, entre milhões. Ele se destingue dos demais por uma irradiação específica e deslumbradora’

N!: Com o Maracanã fechado, onde é o melhor lugar para o Flu mandar seus jogos?

N.R.: ‘Se o Fluminense jogasse no céu, eu morreria para vê-lo jogar’

N!: Depois de ter caído para série C do Brasileirão, o Flu ainda pode ser considerado um time grande?

N.R.: ‘Grandes são os outros, o Fluminense é enorme’

N!: Qual o melhor time do mundo?

N.R.: ‘Eu vos digo que o melhor time é o Fluminense. E podem me dizer que os fatos provam o contrário, que eu vos respondo: pior para os fatos’

N!: O que você prevê para o Flu em 2011?

N.R.‘Se quereis saber o futuro do Fluminense, olhai para o seu passado. A história tricolor traduz a predestinação para a glória’

Nunca antes na história do Campeonato Carioca…

Darío Conca, Deco, Fred, Carlos Alberto, Loco Abreu, Arévalo, Thiago Neves e Ronaldinho Gaúcho. O Campeonato Carioca que começa hoje tem tudo para ser um dos melhores dos últimos anos.

Porém, nessas primeiras rodadas o torcedor só deverá ver um esboço dos times. Muitos reforços ainda não têm condições de jogar, seja por falta de  documentação ou aumento do período de pré-temporada para melhora na parte física. Nada que desanime o torcedor carioca, que já não aguenta mais ficar sem o tradicional futebol de quarta à noite e domingo à tarde.

Vasco da Gama

Time Base: Fernando Prass, Fágner, Dedé, Anderson Martins, Ramon; Romulo, Eduardo Silva, Felipe , Carlos Alberto; Éder Luis e Marcel.

Dentre os quatro grandes do Rio, o Vasco foi o clube que trouxe os reforços mais modestos. Destaque para Eduardo Costa que volta ao Brasil após dois anos no Mônaco, da França. A solução achada pelo clube para a escassez de reforços foi a manutenção da base de 2010.

Botafogo

Time Base: Jefferson, João Filipe, Antônio Carlos, Márcio Rosário; Lucas, Arévalo, Marcelo Mattos, Éverton, Márcio Azevedo; Herrera e Loco Abreu.

Sem dinheiro para fazer grandes contratações, o clube apostou na juventude e trouxe João Filipe e Lucas, ex-Figueirense. Ainda repatriou o polivalente Éverton. Porém, o grande nome para temporada foi a do volante Arévalo, destaque da seleção urugauia e que foi indicado pelo amigo Loco Abreu. Esse ano, além do bicampeonato, Joel Santana poderá se tornar o técnico mais vezes campeão carioca e se consagrar de vez como o Rei do Rio.

Fluminense

Time Base: Diego Cavalieri, Mariano, Gum, Leandro Euzébio, Carlinhos; Valência, Diguinho, Deco, Conca; Emerson e Fred.

O Fluminense estará focado na disputa da Libertadores, mas não deverá deixar de lado o Carioca. Ganhar o Campeonato Carioca significa voltar a dividir a hegemonia do Rio com o Flamengo. A rivalidade deverá ser o combustível do tricolor. Além disso, é um bom momento para testar jogadores que poderão ser aproveitados ao longo da temporada.

Atual campeão brasileiro, o time das Laranjeiras apostou na manutenção da base vencedora e trouxe reforços apenas para as posições mais carentes. Diego Cavalieri vem para acabar com a carência de goleiros que o clube enfrentou nos últimos anos. Em 2010 chegou a ter 3 goleiros em sua meta. Edinho, Souza e Araújo vêm para reforçar o elenco, mas devem começar a temporada no banco.

Flamengo

Time Base: Felipe, Léo Moura, Wellinton, David, Egídio; Maldonado, Willians, Bottinelli, Thiago Neves; Ronaldinho Gaúcho e Deivid.

Após o fiasco de 2010, o Flamengo foi o clube carioca que mais investiu em reforços para a temporada. A primeira contratação foi a do goleiro Felipe, que chega para fazer a torcida esquecer de vez o Bruno. Sob muita desconfiança, o meia Botinelli desembarcou na Gávea. Comparado a Conca, o argentino precisa provar que não será um fiasco como seus compatriotas que passaram pelo clube nos últimos anos.

As maiores contratações ficaram para o final. Thiago Neves e Ronaldinho Gaúcho são as esperanças Rubro Negras para esse ano. O ex-meia tricolor chegou ao clube pedindo desculpa e prometendo bastante empenho. Já o campeão mundial de 2002 ganhou uma grande festa da torcida. Após uma grande novela, o clube anunciou com status de ídolo pop.

Badalações a parte, o torcedor espera que o centenário do futebol do clube não passe em branco.


Campeonato justo (?!)

Quando adotaram o Campeonato Brasileiro por pontos corridos vários especialistas afirmaram que era a fórmula de disputa mais justa. Até o ano passado isso era inquestionável, pois sempre havia um time que se destacava no meio do campeonato e levava o caneco. Porém, os clubes começaram a entender a nova fórmula de disputa e ano passado chegamos a ter quatro clubes brigando pelo título até o fim. A história se repetiu novamente esse ano, Fluminense, Corinthians e Cruzeiro chegam com totais chances de serem campeões, se não fosse um detalhe: a rivalidade.

Em 2009, acusaram Corinthians e Grêmio de terem facilitado o jogo para o Flamengo, visando prejudicar seus maiores rivais que ainda disputavam o título. Esse ano a história se repete, mas com personagens diferentes. Acusam São Paulo e Palmeiras (que ainda nem jogou) de facilitarem o jogo para o Fluminense e prejudicar o Corinthians, que luta pelo Penta no ano do seu Centenário.

Não questionamos o título do Flamengo, que se aproveitou da incompetência dos adversários, e muito menos um possível título do Fluminense, que liderou a maior parte do campeonato e merece estar onde está. O que questionamos é a validade dos pontos corridos, um campeonato que ainda não caiu totalmente nas graças do torcedor brasileiro. Não é aceitável que times que não briguem por mais nada sejam os mais decisivos na reta final. E para deixar bem claro: Não acreditamos em entrega.

O que queremos é um sistema de pontuação no qual todos os times possam chegar ao fim do campeonato brigando por alguma coisa e não haja esse desinteresse por parte de times que não lutam por mais nada, mas enfrentam times que decidem título nas últimas rodadas. Uma volta dos playoffs não seria ruim. Um quadrangular final entre Fluminense, Corinthians, Cruzeiro e o quarto colocado, seria interessante para os clubes que poderiam arrecadar mais, para a integridade do campeonato e para o torcedor que não precisaria “vestir” várias camisas nessas últimas rodadas. É algo a se aprimorar para os próximos anos.

Outra opção foi a dada pelo Carlos Alberto, meia vascaíno. Colocar os clássicos nas últimas rodadas traria uma emoção a mais. Isso impediria o desinteresse, que muitos confundem com entrega, dos times que não disputam mais nada, pois todos sabem que rival não ajuda rival.

Se continuar do jeito que está, podemos ir nos preparando para todo final de ano lermos matérias sobre “Mala Branca”, “Mala Preta”, “entrega ou não” e tantas outras que povoam nosso noticiário nesse final de ano.

O QUE VOCÊ ACHA: O CAMPEONATO DEVE MUDAR OU NÃO? DEIXE SUA SUGESTÃO.

Garrincha, o rei do drible

Há 77 anos anos, nascia o ‘Anjo das Pernas Tortas’. Um jogador mágico, encantador, fantástico. Diferente de todos os outros que você já viu jogar futebol. Um estilo irreverente, abusado, agressivo. Único. Nascia Mané Garrincha. Para muitos, o maior de todos os tempos, maior até do que Pelé. A grande maioria, botafoguense, claro. E não poderia ser de outro modo. Um jogador que honrou o manto alvinegro e que elevou o nome do Botafogo mundo afora com seu futebol, não poderia deixar de receber status mais justo.

Talvez fosse até ‘sofrível’ ver Garrincha jogar. Imagina você, como botafoguense, ver o ‘Anjo das Pernas Tortas’ driblar um time inteiro e não fazer o gol. É de enlouquecer qualquer torcedor na arquibancada, que diria: “Seria o gol mais bonito que já vi”. E assim era Mané, capaz de fazer coisas tão inimagináveis como esta. Torcedores de outros clubes iam ao Maracanã, somente para ver ‘o cara’ fazer ‘aquela’ jogada, que só ele sabia fazer. Para quem gosta de dribles, era um prato cheio. Espetáculo era com ele.

Aliás esta semana está sendo recheada de supercraques. Foi aniversário de 70 anos de Pelé, hoje Garrincha faria 77 anos e o próximo é Diego Armando Maradona que fará 50. Se você já viu Maradona jogar, desfilar seus dribles e genialidade, e diz que não viu coisa melhor, Garrincha era melhor. Se Pelé marcou mais de mil gols, há quem diga que Mané foi melhor. Maradona é sinômino de técnica. Pelé, de gols.  Mas definir o que Garrincha fazia, ainda não conseguiram descobrir…

Rodada Carioca

A rodada do Campeonato Brasileiro tratou de esquentar o fim de semana gelado do carioca. Flamengo, Fluminense, Botafogo e Vasco venceram seus jogos e deram uma subida na tabela para a alegria de suas torcidas. A que está rindo a toa é a do Flu, líder do campeonato com quatro pontos a frente do segundo lugar, vê seu time melhorar a cada rodada. Mesmo sem Fred e Deco, o clube vem mostrando a força do seu elenco.

A torcida do Botafogo é outra que está feliz da vida com o desempenho do time. Com a chegada dos reforços, o time passou a jogar mais ofensivamente, possui o melhor ataque e entrou no G4. Agora com a volta de Loco Abreu ao time, Joel Santa terá que decidir se será ousado e escalará Maicossuel, Jobson, Herrera e Abreu ou sacará uma de suas principais peças. Uma dor de cabeça boa para o Natalino.

No Vasco, PC Gusmão continua sem saber o que é perder no Brasileirão, já são 7 jogos pelo clube. O bom desempenho do clube muito se deve a competente diretoria que deu todas condições ao técnico para tirar o clube da péssima posição que se encontrava antes da parada da Copa do Mundo. Felipe, Zé Roberto, Éder Luiz e Carlos Alberto fizeram com que os vascaínos voltassem a sonhar com algo melhor no campeonato.

O futebol apresentado pelo Flamengo pode não estar agradando a torcida, mas os resultados, mesmo que sofridos, estão aparecendo. Zico tem trabalhado para dar ao técnico Rogério Lourenço o máximo de opções possíveis. Os reforços não são os sonhados pela torcida, que já havia sido avisada pelo ídolo que o foco principal seria a estruturação do clube, mas são os que estão na realidade do clube.

Tudo pode mudar até o fim do campeonato, mas nesse momento o campeonato tem a cara e alma carioca. Torçamos para que no final possamos assistir uma briga carioca pelo título.

Botafogo campeão!

Finalmente, o Botafogo foi campeão carioca sobre o Flamengo. Vitória por 2 a 1. Foi suado, como sempre para o Fogão. Uma longa espera atormentava a torcida alvinegra. Uma partida que era o divisor de águas para o Botafogo: se não ganhasse, sentiria muito a pressão de mais uma vez decidir contra o Flamengo, depois de ser vice três vezes. Não foi isso que aconteceu. O que viu de um Botafogo, foi uma luta incomum, um ar de batalha mesmo. Um Botafogo aplicado, organizado, concentrado. Por vezes ousado. Ou robotizado. Foi aguerrido, doído, sofrido. Robotizado talvez porque marcava e cruzava para a área do Fla. Previsível demais. Porém, Zico fez um comentário, no DVD da Placar de sua carreira, sobre suas faltas, que era o seguinte: “Se você tem o dom, use até o fim o seu talento”. Encaixa perfeitamente como exemplo. Não é incompetência dos outros times mas mérito do Glorioso que soube utilizar desta arma até o fim e não teve vergonha disso. E foi assim que o Botafogo sagrou-se CAMPEÃO DA TAÇA RIO E DO CAMPEONATO CARIOCA 2010. Vamos ao jogo.

O Botafogo começou o jogo com uma postura totalmente diferente daquele jogo contra o Fluminense na semifinal, onde começou muito acuado. Tanto que conseguia jogar e não deixar o adversário jogar. Ou melhor chegar perto de sua área. Pendurou quase meio time do Flamengo com seu jogo leve. Parecia um aviso que tudo daria certo. E daria mesmo. Renato Cajá (que substitui Lúcio Flávio na missão de armar as jogadas) fez excelente passe para Herrera em profundidade, quando o argentino entraria na área, falta sobre ele. Cajá cobrou com perigo e Bruno jogou para escanteio. No escanteio, bola alçada, jogada preferida. Mais o melhor estava por vir. Bola na área e… Pênalti. Angelim puxou Fábio Ferreira. Quem cobrou foi Herrera. E fez. Deve ter estudado o Bruno que sempre cai para algum dos lados.  Herrera cobrou no meio do gol e forte. 1 a 0 Fogão para a alegria de sua torcida. E de algumas outras também.

Logo após o gol, o Botafogo teve uma chance com Somália que estaria em boas condições de fazer o segundo gol. Mas a arbitragem deu impedimento. Em seguida, gol do Flamengo. Jogada de Michael, tentativa de Adriano, conclusão de David, defesa parcial de Jéferson e gol de Vagner Love no rebote da pequena área. Love artilheiro do Carioca com 15 gols, que seriam, ao fim do jogo, insuficientes para o Mengão ser campeão.

No segundo tempo, o jogo continuou pegado. Lá e cá também. Após poucas chances de gol até os 25 minutos, falta cobrada para área do Flamengo e pênalti tolo de Maldonado fora do lance em Herrera. E como ele já tinha batido o primeiro pênalti, El Loco pediu a bola para fazer o dele. Deu impressão que faria o mesmo do que contra o Vasco mas não fez. Bruno caiu na dele e acreditou que repetiria tal cobrança.Preferiu um estilo que não é tanta novidade para ele. Tinha feito várias vezes em sua carreira e contra o Brasil na semifinal da Copa América. Deu um toquinho que deixou Bruno no chão antes que a bola chegasse ao gol. A bola, caprichosamente, tirou o excesso de tinta que havia no travessão (como fez Zidane na final da Copa) e entrou. Alívio e explosão nas arquibancadas alvinegras.

Angelim se redimiu do pênalti que cometeu e sofreu um para o Flamengo. Adriano chutou como de costume: com paradinhas antes de chegar na bola (essa é legal) e rasteiro tentando descolocar o goleiro. Jéferson foi na bola, convicto. Pegou. Parecia ter pego o título. E foi um tanto disso também. Posterioemente, a pressão do Flamengo era grande. Caio ainda desperdiçou o que muitos achavam que era aquele lance que a bola pune e logo depois o adversário empata. Poderia ter sido. O Botafogo se defendia. O Flamengo se jogava ao ataque e perdeu várias chances com Rodrigo Alvim, salvo quase encima da linha (já tinha passado por Jéferson), e Vagner Love, que chutou bem no canto mas lá estava Jéééferson para garantir.Bruno, goleiro do Flamengo, tentava algo no ataque. Era tarde, fim de jogo. Era tarde até para o Botafogo que esperou 3 anos para ganhar do rival em uma final. Botafogo Campeão Carioca de 2010.

O Rio está pintado(ou descolorido) de preto e branco.

Botafogo Campeão Carioca 2010

Botafogo passou pelo seu maior rival e conquistou a Taça Rio (2º turno). Sendo assim, é Campeão Carioca 2010, uma vez que ganhou também a Taça Guanabara (1º turno). Este título era muito esperado. Estava engasgado na garganta de cada torcedor da estrela solitária. Talvez um prêmio por tanto castigo em finais anteriores. Este título tem um sabor todo especial por estes ingredientes: por ser o maior rival, pela espera. Essa espera acabou. Três anos para o mesmo rival era demais para um botafoguense. Quatro seria ainda pior. Estava na hora. Tem coisas que só acontecem com o Botafogo. Não, hoje não. Solte o grito torcida alvinegra, é hora de gritar é campeão!

Parabéns ao Botafogo e sua torcida pela conquista da Taça Rio e do Campenato Carioca.

Está aqui o post depois da vitória:

https://newsfut.wordpress.com/2010/04/19/botafogo-campeao/